quinta-feira, 29 de julho de 2021

"Chegaram as máquinas" - Al Berto

 




Chegaram as máquinas

 

 



 

 

chegaram as máquinas para talhar a cidade que vem


das águas cresce a obra do homem, ouve-se um lento grito d'espuma e
suor


na memória ficaram os sinais dos bosques ceifados, as dunas desfeitas e algumas casas abandonadas


estenderam-se tubos prateados, onde escorre o negro líquido


levantaram-se imensas chaminés, serpenteiam autoestradas na paisagem
irreconhecível do teu rosto




onde estarão as tâmaras maduras de tuas palmeiras?


e o perfume intenso das flores debruçando-se ao sol?


que murmúrios terão as pedras do teu silêncio?



a memória é hoje uma ferida onde lateja a Pedra do Homem, hirta como uma sombra num sonho


e as aves? frágeis quando aperta a tempestade...migraram como eu?


aonde caminhas, doce Moura Encantada?




ouço o ciciar dos canaviais do sono, adivinho teu caminhar de beijos no rumor das águas


tuas mãos de neve recolhem conchas, estrelas secretas, luas incendiadas...que o mar esconde na respiração das marés



estremecem-se nas mãos os insetos cortantes do medo, em meu peito doído ergue-se esta raiva dos mares-de-leva




 

 

 

Al Berto



Divulgando o último livro do autor do blog Aqui


Jair Messias e um elogio merecido



Eric Nepomuceno, do Jornalistas pela Democracia, aponta "a incrível capacidade de Jair Messias de se superar a cada dia em termos de boçalidade". Para ler seu texto clique aqui


Leia "O que entregar "alma do governo" ao Centrão pode significar para Bolsonaro" de Bruno Lupion clicando aqui


Leia "Planalto usa LGPD como desculpa para esconder visitas de Luís Miranda a Bolsonaro" de Amanda Audi clicando aqui


Leia "Médicos do Inferno - O Eco dos Horrores de Experimentos Humanos" de José Rodrigues clicando aqui


Leia "Acumulação social da violência no Brasil" Entrevista com Daniel Hirata clicando aqui


Leia ""Apego aos bandeirantes tem fator xenófobo", diz historiadora sobre estátua de Borba Gato" de Rute Pina clicando aqui


Leia "Onde há mulheres prefeitas, morre-se menos de covid" de Mariana Sanches clicando aqui


Leia "Câmeras nas fardas, solução contra o genocídio?" de João Pedro Soares clicando aqui


Leia "'Não há meritocracia sem direitos iguais': o desabafo do jovem que ficou famoso ao passar em Medicina estudando sem luz elétrica" de Paula Adamo Idoeta clicando aqui


Leia "Dossiê: para debater os sentidos da ciência" clicando aqui


Leia "Sæculum - Revista de História, v. 26 n. 44 (2021): Dossiê Diretório dos Índios" clicando aqui

 

Em 95% dos artigos científicos, inglês cria 'ditadura da língua'. Apenas 1% está em português e espanhol



Relatório sobre diversidade linguística na academia mostra que mais de 8 em cada 10 pesquisadores ibero-americanos escrevem no idioma anglo-saxão e não em suas línguas maternas. Para ler o texto de Juan Miguel Hernández Bonilla clique aqui


Leia "Hitler no divã do psicanalista" de Fulvio Abbate clicando aqui


Leia "O ciberabismo" de Ilán Semo clicando aqui


Leia "Chile, laboratório do pós-capitalismo?" de Paulina Astroza Suárez clicando aqui


Leia "O 'Grande Retiro' da América está bem encaminhado" de Stephen Bryen clicando aqui


Leia "EUA: a nova geração da guerra cibernética mundial" de Andrew Fishman clicando aqui


Leia "Quando as guerras cibernéticas se transformam em guerras de tiro" de David P. Goldman clicando aqui


Leia "China e os talibãs consolidam aproximação" de Macarena Vidal Liy clicando aqui


 




Coldplay: "Everyday Life" ao vivo na Jordânia

 



Em 22 de novembro de 2019, o Coldplay estreou seu novo álbum, "Everyday Life", ao vivo, na Cidadela de Amã, na Jordânia. A primeira metade foi realizada ao nascer do sol, a segunda ao pôr do sol. Foi a primeira e única vez que o álbum foi apresentado na íntegra, transmitido ao vivo para todo o mundo. Para assistir ao show (00:58:15) clique no vídeo aqui

"Step Back In Time": Old School Dance

 



Step Back in Time” é uma composição da autoria de Mike Stock, Pete Waterman e Matt Aitken interpretada pela cantora Kylie Minogue. Esta é uma interpretação de antigos artistas de cinema dançando “Step Back in Time”. Para assistir ao show de dança clique no vídeo aqui


Navegando pelo cinema

 


David Lynch, inexplicável e infalível 


"Cidade dos sonhos" (2001) chega ao streaming gratuito. Com enredo misterioso, convida à dúvida: abre muitas portas, sem dar respostas prontas, e nos conduz com precisão a um impiedoso universo, suspenso entre o sonho e o pesadelo. Para ler o texto de José Geraldo Couto clique aqui




O vento da noite


Assim como Brian De Palma, para citar um diretor que tenho estudado recentemente, Philippe Garrel é um autor que coloca muito de suas obsessões, de seus traumas pessoais e de suas angústias em seus filmes. Por isso que muitas vezes seus produtos resultam em obras pouco palatáveis, mesmo quando ele se utiliza de um registro menos experimental. Para ler o texto de Ailton Monteiro clique aqui





A boiada invade a tela


Brasil Paralelo lança documentários que negam desmatamento e distorcem temática indígena com parcerias com o governo e investimento de ruralista. Para ler o texto de Ethel Rudnitzki, Laura Scofield e Rafael Oliveira clique aqui


Achille Mbembe: Brutalismo

 



A última obra do pensador camaronês Achille Mbembe tem um título gráfico. Brutalisme (La Découverte, 2020) é a continuação de Crítica da razão negra e Políticas da inimizade. Em seu último trabalho, Mbembe amplia sua análise crítica da lógica mercantil capitalista que impregna nossas vidas, sempre com a visão de quem observa o mundo da África, através do prisma pós-colonial. Para ler o texto de  Olivia Muñoz-Rojas clique aqui




Massimo Cacciari & Giorgio Agamben: "Sobre o passaporte vacinal" 


Todos estão ameaçados por práticas discriminatórias. Paradoxalmente, as pessoas “habilitadas” pelo green pass [passaporte vacinal] mais ainda do que os não vacinados, já que todos os seus movimentos seriam controlados e nunca se poderia chegar a saber como e por quem. A opinião é dos filósofos italianos Massimo Cacciari e Giorgio Agamben, em artigo publicado por Diario della Crisi, do Instituto Italiano para os Estudos Filosóficos. Para ler o texto clique aqui



quarta-feira, 28 de julho de 2021

"Em homenagem a Otelo" - Adão Cruz

 




Em homenagem a Otelo

 

 



Um cravo vermelho


cristal de vida no céu de chumbo


cada dia um mundo limpo e perfumado


graças a ti flor da minha idade.


Caminho da esperança às portas da cidade


todo o mel e todos os frutos ali à mão.


Graças a ti cravo vermelho que venceste a solidão


veio o tempo ao nosso encontro


e a manhã despertou agitando as árvores.


E a noite se fez de estrelas que desceram aos cantos do jardim.


Um cravo vermelho e quente


mais que tudo amando a vida


em qualquer língua entendida.


O mundo tinha o sabor de uma maçã


e os olhos inacabados eram cravos vermelhos.


Não havia cárceres nem torturas


apenas o calor de uma fogueira na praça do entusiasmo


e uma jovem mulher


dormindo um sono de criança nos telhados da revolução.


O seu rosto era uma nuvem dourada pelo sol e pela lua


os cabelos trigueiros uma seara


e nos lábios a canção de Abril que encheu a rua.


Hoje…


Hoje não sei se é dor se alegria


o que sonho quando abro ao sol as portas de Abril.


Não sei se é dor


tristeza ou alegria


aquilo que sinto neste dia


em que Abril faz tantos anos de saudade e nostalgia.


Anos de luminoso tremor


corações ao alto


quadros verdes de sonho e raiva


de sol e chuva em celeste azul


luzindo nos olhos de uma gaivota


branca gaivota de penas mansas voando solitária dentro de mim


à volta de um cravo vermelho que me ficou dentro do peito.


Abro as janelas a medo neste areal de céu escuro


contra o mundo


a idade e o cansaço


e não sei se é vida ou amargura a estreiteza deste espaço.


Sei que um rio de negras águas cavalga as margens do meu ser


por entre as fendas da secura


e outra vez afoga a democracia às mãos de nova ditadura.



 

 

Adão Cruz



 Divulgando o último livro do autor do blog Aqui


Pesquisadora encontra carta de Bolsonaro publicada em sites neonazistas em 2004



A antropóloga Adriana Dias é uma das maiores autoridades em neonazismo no Brasil. Carta e banner que levava a site de Bolsonaro reforçam ideia de que a base bolsonarista é neonazista. Para ler o texto de Leandro Demori clique aqui


Leia "O Brasil de Bolsonaro: um anão no cenário internacional" de Philipp Lichterbeck clicando aqui


Leia "Bolsonaro confessa que sem os corruptos do Congresso não poderia governar" de Juan Arias clicando aqui


Leia "Deputada evangélica sobre aliança de igrejas com Bolsonaro: "Falta de conhecimento e fanatismo"" Entrevista com Dulcicleide Amorim clicando aqui


Leia "Mesmo com base jurídica, é a política que determina os rumos de um processo de impeachment" Entrevista com Rafael Mafei clicando aqui


Leia "A guerra dos mundos, a fratura colonial e a aspiração de uma convicção coletiva pela vida digna" Entrevista com Alana Moraes clicando aqui


Leia "Yanomamis no inferno do garimpo" de Evilene Paixão clicando aqui


Leia "Os militares apresentam suas armas" de Edson Teles clicando aqui


Leia "Parlamentarismo no Brasil: dos males, o maior" de Silvane Ortiz clicando aqui


Leia "O Gato e o Galo" de Moisés Mendes clicando aqui


Leia "A ofensiva antiaborto em meio a pandemia mortal" de Andrea DiP e Mariama Correia clicando aqui


Leia "Previdência pública x privada: a desigualdade territorial" de Caio Alves clicando aqui

 

  © Blogger template 'Solitude' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP