sábado, 8 de agosto de 2020

Manoel Fernandes de Sousa Neto: "Vai dizer que não sabia"

A IGNORÂNCIA MOTIVADA: NÃO NASCEMOS IGNORANTES, APRENDEMOS A SER ...


Vai dizer que não sabia

Vai dizer que não sabia
que a física do Einstein
era um diálogo com a Filosofia?
Vai dizer que não sabia
que a cura de muitas doenças
nasceu de estudos de Antropologia?
Vai dizer que não sabia
que a matemática pode ser fundamental ao estudo da poesia?
Vai me dizer que não sabia
que políticas de clima
estão ligadas a estudos
de economia?


Manoel Fernandes de Sousa Neto
(Projeto CHSSALLA, 2019)

Sidarta Ribeiro - Hiroshima é aqui: silêncio, vergonha e humilhação


Façamos um segundo de silêncio por cada uma das cem mil brasileiras e brasileiros que perderam a vida em decorrência da covid-19. Serão mais de 27 horas de tristeza emudecida, multiplicada pelas redes de afetos despedaçados de cada pessoa que nos deixou. Se optarmos por seguir o minuto protocolar, serão mais de dois meses sem abrir a boca, no silêncio envergonhado de quem não conseguiu impedir o pior. Em 1945, a primeira bomba atômica a ser usada numa guerra carbonizou um terço da população da cidade japonesa de Hiroshima, cerca de oitenta mil pessoas desaparecidas repentinamente. O fracasso do enfrentamento da covid-19 no Brasil já é maior do que o desastre de Hiroshima. 
Para ler o texto de Sidarta Ribeiro clique aqui


Eliane Brum: "A marcha dos mortos"

Covas abertas no cemitério de Vila Formosa, em São Paulo, para receber as vítimas da pandemia de covid-19

Quase 100.000 vítimas do Governo Bolsonaro e somos covardes ao ponto de normalizar um crime contra a humanidade que é feito em nosso nome,
Para ler o texto de Eliane Brum clique aqui 

Leia "Uma coleção de frases chocantes de Bolsonaro durante a epidemia: em março, previu que morreriam menos de 800" clicando aqui

Leia "Com autofechamento do Congresso e do STF, Bolsonaro nem precisa de soldado e cabo para fechar instituições" de Jeferson Miola clicando aqui

Leia "Cheques na conta de Michelle podem ser base para processo de impeachment de Bolsonaro" de Renato Rovai clicando aqui

Leia "Marcelo Odebrecht: Moro tem traços de ditador e Lava Jato favoreceu Bolsonaro" clicando aqui

Leia "O cálculo de uma tragédia" de Lucas Gomes, Gabriel Maia e Caroline Souza clicando aqui

Leia ""Foi um terror" - Como Breves, na Ilha de Marajó, se tornou em maio a cidade mais contaminada do Brasil" de Brenda Taketa clicando aqui

Leia "O julgamento de Lula e a questão do poder" de Valerio Arcary clicando aqui

Teatro e cinema: uma perspectiva histórica

Teatro e cinema: uma perspectiva histórica

O artigo pretende analisar, a partir de uma perspectiva histórica, as relações entre teatro e cinema. No momento do surgimento do cinema, o teatro passa por transformações importantes ligadas à urbanização e às inovações técnicas, como o advento da eletricidade que irá modificar a cena teatral, incorporando novas possibilidades de criação e de recepção das obras. inicialmente, consideradas artes rivais, teatro e cinema passam a se relacionar de forma cada vez mais intensa, estabelecendo uma parceria indissolúvel. Do “teatro filmado”ao “filme de teatro”, das experiências simbolistas ao teatro pós-dramático, as fronteiras das especificidades e diferenças se diluem no encontro de artes plurais e fragmentárias. 
Para ler o texto de Gabriela Lírio Gurgel Monteiro clique aqui

2CELLOS & Zucchero - "Baila Morena"

Baila Morena - Coub - The Biggest Video Meme Platform

Para assistir à interpretação de "Baila Morena"  pelos 2CELLOS & Zucchero clique no vídeo aqui

LIVRO Movimientos sociales: la estructura de la acción colectiva / Paul Almeida

Movimientos sociales. La estructura de la acción colectiva - LAOMS

La unión voluntaria de personas en acciones conjuntas ha sido un importante motor de transformación social a lo largo de toda la historia humana. Desde la propagación geográfica de las grandes religiones mundiales hasta las campañas comunitarias de salud pública con miras a reducir la incidencia local de enfermedades debilitantes transmitidas por vectores, son innumerables los ejemplos de movilización colectiva capaz de ocasionar cambios profundos en un amplio espectro de contextos y sociedades. 
Para ter acesso ao conteúdo integral do livro (374 págs.)  de Paul Almeida clique aqui

Manifesto - Julian Rosefeldt (Alemanha, 2017)

Manifesto | Cate Blanchett vive 13 personagens em trailer – Volts

Os históricos manifestos de arte podem ser aplicados à sociedade contemporânea? É isso o que Cate Blanchett tenta responder ao explorar os componentes performáticos e o significado político de declarações artísticas e inovadoras do século XX, que vão dos futuristas e dadaístas ao Pop Art, passando por Fluxus, Lars von Trier e Jim Jarmusch.
Manifesto (The Manifesto) - Julian Rosefeldt (Alemanha, 2017,1:38).
Para assistir ao filme clique no vídeo aqui



"Francofonia: Louvre Sob Ocupação" - Alexander Sokurov (França, Alemanha, Holanda, 2015 

Francofonia - Louvre sob Ocupação - Almanaque Virtual

Misturando trechos encenados com documentário, o filme discute a relação da arte com o poder quando o Museu do Louvre, como toda Paris, ficou sob regime nazista na Segunda Guerra. “Quem seríamos sem os museus?”, questiona Sokurov durante o docudrama. Ter um grande museu como foco principal de seu filme não é inédito para o diretor. Antes de “Francofonia”, o cineasta mostrou os longos corredores do Museu Hermitage, em São Petersburgo, em “Arca Russa” (2002). Sokurov chegou a pensar em fazer “Francofonia” em um único e longo plano-sequência, como fez com “Arca Russa”, filmado em uma cena de 87 minutos. No entanto, o diretor abandonou a ideia durante a produção. Curiosamente, ou coincidentemente em tempos de pandemia, o filme mostra cenas de arquivo de uma Paris vazia. No caso, por conta da ocupação nazista. Sokúrov já abordou o nazismo em outro título de sua filmografia, “Moloch” (1999), que fazia um retrato da intimidade de Adolf Hitler e Eva Braun. “Francofonia” foi premiado no Festival de Veneza, mas ficou sem o Leão de Ouro.
Francofonia: Louvre Sob Ocupação (Francofonia, le Louvre sous l’Occupation - Alexander Sokurov (França, Alemanha, Holanda, 2015, 1:28).
Para assistir ao documentário clique no vídeo aqui

O segundo ato de ativismo nas redes sociais

Ativismo nas redes sociais: o que é, como ocorre e redação! - Blog ...

A Internet se tornou melhor em mediar mudanças? 
Para ler o texto de De Jane Hu clique aqui

  © Blogger template 'Solitude' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP