domingo, 31 de março de 2019

Do “LIVRO DE EROS” - Casimiro de Brito

Resultado de imagem para Do “LIVRO DE EROS” - Casimiro de Brito


Do “LIVRO DE EROS”


693



Tão breve a noite quando nos amamos. 
Quando nos lemos um ao outro. Ou quando, 
um no outro, escrevemos.



694


A mulher, embora queiram fazer dela um jardim, é uma floresta que não pertence a ninguém. Res nullius. E o seu sexo, embora o queiram preencher em cada momento, é para sempre um locus neminis, um lugar de ninguém. De passagem, sim: passei por lá quando nasci e ficaram saudades, e por isso regresso sempre que posso. Afável, acolhe-me; outras vezes fecha-se ou morde e não me deixa morrer no paraíso. Que bom saber tão pouco dos seus mistério e viver à sombra desta delicada ignorância! E porque não sei, e porque não aprendi e não me podem ensinar, vou sempre regressando em busca desse graal infinitamente perdido em lugares inóspitos e outras vezes amenos: na delicada floresta.



695



Quando digo sexo quero dizer amor: 
pois ambos são fruto de um casamento secreto 
entre o sol e as sombras.



Casimiro de Brito


Por que o presidente Bolsonaro não pode celebrar o golpe de 1964


Jair Bolsonaro tinha 9 anos quando os militares derrubaram a democracia em 1964. Era apenas uma criança que sonhava entrar para o Exército. Logo após o fim da ditadura, aos 31 anos, já militar, Bolsonaro escreveu um artigo para a revista Veja reclamando dos baixos salários dos militares. A indisciplina lhe custou 15 dias de cadeia. Mas a reclusão não foi capaz de segurar seu espírito incendiário. No ano seguinte, o capitão continuou a luta por reajuste salarial e elaborou um plano que lhe pareceu infalível: bombardear quartéis e academia militares. 
Para ler o texto completo de João Filho clique aqui

Leia "Boris Fausto e o golpe de 64: "É impossível ir contra fatos estabelecidos" clicando aqui

Leia "Não foi nada pessoal..." de Lygia Jobim clicando aqui

Leia "O poder da crença e o narcisismo na vida de Ernesto Araújo, o pior chanceler do mundo" de Joaquim de Carvalho clicando aqui

Leia "Sob a toga havia uma farda" de Pedro Tierra clicando aqui

Leia "A Reforma da Previdência e o fim da soberania nacional" de José Raimundo Trindade clicando aqui

Leia "'Ditadura nunca mais' no cinema brasileiro; seleção de filmes" de Léa Maria Aarão Reis e Carlos Alberto Mattos clicando aqui

Leia “'Ditadura nunca mais' no cinema brasileiro” de Léa Maria Aarão Reis e Carlos Alberto Mattos clicando aqui

Leia "Faxineiros virtuais" de Carlos Alberto Mattos clicando aqui


Por dentro do programa de vigilância por vídeo que a IBM construiu para o ditador das Filipinas Rodrigo Duterte


Jaypee Larosa estava parado na frente de um cybercafé na cidade de Davao, um polo metropolitano na ilha de Mindanao, nas Filipinas, quando três homens usando casacos escuros chegaram em uma motocicleta e abriram fogo. Naquela noite de verão, Larosa, de 20 anos, foi morto. Segundo testemunhas, terminada a execução, um dos homens teria retirado o boné de baseball de Larosa e dito: “Filho da puta. Não é esse.” E então eles foram embora. 
Para ler o texto completo de George Joseph clique aqui

Leia "As origens ideológicas do nazismo" de Gabriel Bonis clicando aqui

Leia "O incerto destino das crianças do Estado Islâmico" de Natalia Sancha clicando aqui

Leia "Os 5 pilares na formação de professores que revolucionaram a Finlândia" de Paulo Adamo Idoeta clicando aqui


Mariene de Castro - "Feira de Mangaio"

Resultado de imagem para Mariene De Castro - Feira De Mangaio (Ao Vivo)

Para assistir à interpretação de "Feira de Mangaio" na voz de Mariene de Castro clique no vídeo aqui

Bruno Latour: "O sentimento de perder o mundo, agora, é coletivo"

O prestigiado ensaísta francês, na semana passada, em seu apartamento de Paris.

Em seu último livro, o influente pensador francês descreve um planeta onde a mudança climática altera tudo. 

Para ler sua entrevista clique aqui

48 retratos de guerra, 48 bombas relógio 48 elegias

Afri-Cola  | 2017 | Tatiana Macedo (cortesia da artista)

W.H.R. Rivers foi um antropólogo britânico e psiquiatra no hospital militar de Craiglockhart, na Escócia. Corria a Primeira Guerra Mundial. Rivers foi o autor da clássica conferência “The Repression of War Experience”, proferida em 4 de Dezembro de 1917 na Royal Society of Medicine, em Londres, e posteriormente publicada em The Lancet em Fevereiro de 1918 (1). Neste artigo W.H.R. Rivers defendia que para abordar a questão do trauma, por motivos ligados à guerra, era essencial olhar para as manifestações artísticas, mormente aquelas que se relacionavam com o discurso, como a literatura, e expunha as suas dúvidas sobre o método então adotado para curar os veteranos de guerra que sofriam do que a psiquiatria da época designou como “shell shock” ou “neurose de guerra”. 
Para ler o texto completo de Margarida Calafate Ribeiro clique aqui

Nancy Fraser propõe o Feminismo para 99%


Coautora de manifesto que corre o mundo, filósofa sustenta: capitalismo está esgotado, mas velha esquerda perdeu-se. Cada vez mais populares novas lutas antipatriarcais podem ser parte decisiva da virada. 
Para ler o texto completo de Nancy Fraser clique aqui

sábado, 30 de março de 2019

"O mundo é grande..." - Carlos Drummond de Andrade

Imagem relacionada


O mundo é grande e cabe
nesta janela sobre o mar
O mar é grande e cabe
na cama e no colchão de amar.
O amor é grande e cabe
no breve espaço de beijar.

Carlos Drummond de Andrade


Documento inédito mostra que número de presos nos primeiros dias do golpe militar de 64 pode ser quatro vezes maior


Um documento inédito encontrado pelo Intercept no arquivo histórico do Ministério do Exterior da Itália mostra que o número de presos nos primeiros dias do golpe militar brasileiro de 1964 pode ser quatro vezes maior do que se estimava até hoje. 
Para ler o texto completo de Janaina Cesar e Caroline Cavassa clique aqui

Leia "1964: a infâmia, a cicatriz e o bufão" de Mauro Luis Iasi clicando aqui

Leia "Paulo Coelho: fui torturado pela ditadura do Brasil. É isso que Jair Bolsonaro que celebrar?" clicando aqui

Leia "Paulo Coelho narra tortura e estraga a "festa" de Bolsonarode  Alez Solnik clicando aqui

Leia "Relator da ONU diz que Bolsonaro celebrar ditadura é "de uma gravidade inaceitável"" clicando aqui

Leia "Direito à verdade: Institucionalização da mentira é um grave problema da sociedadede Carolina Vásquez Araya clicando aqui

Leia "Bolsonaro ofende o Direito até o limite possível, diz juristade  Celso Antônio Bandeira de Mello clicando aqui

Leia "História, volverde Fabio Victor clicando aqui

Leia "Refundar o PT para solucionar os problemas da esquerda é uma ilusão. Entrevista especial com Valter Pomar" clicando aqui

Leia "O dia da infâmiade Vladimir Safatle clicando aqui

Leia "A gente está vendo a corrosão geral das políticas estabelecidas no MECde Ciro Barros clicando aqui

Leia "Nem tudo é deserto, nos escombros do MinCde Eleilson Leite clicando aqui

Leia "Meninas, preparem-se para sofrer mais do que os meninos na nova onda de colégios militaresde Stéfani Fontanive clicando aqui

Leia "Wikileaks: como o DoJ preparou a Lava Jato e cooptou a Justiça brasileira, por Luis Nassif" clicando aqui

Leia "Sinais de mudança já são visíveis na linha do horizontede  Ribamar Fonseca clicando aqui

Leia "Como se livrar de um (des) governode Joaquim Xavier clicando aqui

Leia "O silêncio do bolsominionsde Leandro Fortes clicando aqui

Leia "Entre o visível e o invisível - cinema indígena de auto-representaçãode Daniel Ribeiro Duarte e Júnia Torres clicando aqui




Por que somos egocêntricos, segundo este estudo


Pesquisa da Universidade Duke, nos EUA, revela que nosso cérebro tende a automaticamente priorizar tudo que se refere a nós mesmos, e não aos outros. 
Para ler o texto completo de Juliana Sayuri clique aqui


Marta Pereira da Costa - "Meddley com convidados"

Imagem relacionada

Para assistir à interpretação do "Medley com convidados" por Marta Pereira da Costa  clique no vídeo aqui

Morreu Agnès Varda, a cineasta que inventou a sua nouvelle vague

Resultado de imagem para Morreu Agnès Varda, a cineasta que inventou a sua nouvelle vague

A realizadora nascida na Bélgica tinha 90 anos. Gostava, de forma vibrante, das palavras, das imagens e das pessoas. Anunciou a nova vaga do cinema francês quatro anos antes de Os 400 Golpes, de Truffaut, cinco anos antes de O Acossado, de Godard. 
Para ler o texto completo de Vasco Câmara e Luis Miguel de Oliveira clique aqui

Leia "Agnès Varda, diretora mítica da Nouvelle Vague, morre aos 90 anos" clicando aqui

Por que Hannah Arendt é filósofa por enquanto

Resultado de imagem para https://www.newstatesman.com/culture/books/2019/03/hannah-arendt-resurgence-philosophy-relevance


A filosofia política de Arendt, formada sob a perseguição nazista, está ressurgindo em nossa era problemática. 
Para ler o texto completo de Lyndsey Stonebridge clique aqui

Uma nova e inteligente estratégia para o tratamento do câncer, graças a Darwin

Resultado de imagem para https://www.wired.com/story/cancer-treatment-darwin-evolution/


Em outubro de 1854 um entomologista do governo estava inspecionando algumas fazendas fora da cidade de Ottawa, no norte de Illinois, quando ele encontrou uma cena perturbadora em um canteiro de repolhos. 
Para ler o texto completo de Roxanne Khambi clique aqui

quinta-feira, 28 de março de 2019

"O mundo completo" - António Rebordão Navarro

Imagem relacionada


O mundo completo

Estes gestos de vento,
estas palavras duras como a noite,
estes silêncios falsos,
estes olhares de raiva a apertarem as mãos,
estas sombras de ódio a morderem os lábios,
estes corpos marcados pelas unhas!...

Esta ternura inventando desejos na distância,
esta lembrança a projetar caminhos,
este cansaço a retratar as horas!...

Amamo-nos. Sem lírios
sobre os braços,
sem riachos na voz,
sem miragens nos olhos.

Amamo-nos no arame farpado,
no fumo dos cigarros,
na luz dos candeeiros públicos.

O nosso amor anda pela rua
misturado ao buzinar dos carros,
ao relento e à chuva.

O nosso amor é que brilha na noite
quando as estrelas morrem no céu dos aviões.

António Rebordão Navarro

Tábata Amaral humilha Vélez com suavidade e lembra estudantes de 1968

Fotos: Câmara dos Deputados

Bem podia ser uma de minhas filhas. Tem mais ou menos a idade de minhas filhas. Conserva a doçura no semblante mesmo dizendo as verdades mais duras quando o tiozinho que está à sua frente teima em querer vencer o debate pela força esgrimindo uma autoridade vazia – é assim que minhas filhas me enquadram nas discussões geracionais, foi assim que ela enquadrou o colombiano inapto que desde 2 de janeiro despacha no Ministério da Educação. Falo de Tábata Amaral, a jovem deputada federal que é a personagem benfazeja da semana. 
Para ler o texto completo de Luis Costa Pinto e assistir ao vídeo imperdível da intervenção de Tábata Amaral clique aqui

Leia "'Nazismo de esquerda': o absurdo virou discurso oficial em Brasília" de Clarissa Neher clicando aqui

Leia "A palavra não é 'milícia'" de Denis R. Burgierman clicando aqui

Leia "Minha "filosofia" é o insulto" de Gustavo Freire Barbosa clicando aqui

Leia "100 dias toscos, áridos e à deriva" de Adriano Silva clicando aqui

Assista ao "VÍDEO - Henry Bugalho sobre o governo Bolsonaro: Como chegamos a este ponto?" clicando aqui

Leia "Por que negociação e articulação fazem parte do jogo político" de  Ana Beatriz Rosa clicando aqui

Leia "Os ataques recentes de Jair Bolsonaro à civilização em 3 atos" de  Carol Scorce clicando aqui

Leia "Lava Jato, a corrupção simbólica e o atraso nacional" de Rafael da Silva Barbosa clicando aqui

Leia "Lava Jato - ou a velhice aos 5 anos" de Tania Oliveira clicando aqui

Leia "Ex-Ministro da Justiça diz ter dito não ao lobby dos cigarros aceito por Moro" clicando aqui

Leia "O que resta da ditadura?" de Edson Teles clicando aqui

Leia "Reforma da Previdência. Projeto conspira simultaneamente contra a justiça social e o equilíbrio das finanças públicas" Entrevista com Guilherme Delgado clicando aqui

Leia "O que é discutido no processo seletivo de diplomatas no Brasil" de Daniel Lopes Bretas clicando aqui

Leia "Diversidade é "palavra da vez" e gera até consultorias especializadas" de Alexandre Putti clicando aqui

Leia "Jovem Pan e Record protegem apresentador 'sem mimimi' que ameaçou ex-noiva de morte" de Amanda Audi clicando aqui

Leia "A tragédia das cidades que odeiam suas águas" de Roberto Andres clicando aqui

Leia "Capital do verão, Salvador vira centro da resistência política" de Guilherme Soares Dias clicando aqui

'O trabalho está matando as pessoas e ninguém se importa', diz professor de Stanford

Resultado de imagem para 'O trabalho está matando as pessoas e ninguém se importa', diz professor de Stanford

O escritor e pesquisador Jeffrey Pfeffer não considera que sua frase "trabalho está matando as pessoas e ninguém se importa" seja uma metáfora.
O professor da Escola de Pós-Graduação em Negócios da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, argumenta que sua tese é baseada em pesquisas realizadas durante décadas tanto em seu país como em outros lugares do planeta.
Para ler sua entrevista clique aqui
Leia "Trabalhar faz mal à saúde" de Marlene Oliveira clicando aqui
Leia "A captura da Economia de Compartilhamento" de Susie Cagle clicando aqui
Leia "Os países em desenvolvimento são o motor da economia internacional" de  José Eustáquio Diniz Alves clicando aqui
Leia "Plástico nos oceanos: as corporações culpam você" de Inês Castilho clicando aqui
Leia "Nacionalismos de direita ameaçam democracias: só 4% têm liberdades garantidas" de Thaliff Deen clicando aqui
Leia "Multidão de argentinos ocupa as ruas em defesa da memória, da verdade e da justiça" de Stella Calloni clicando aqui

  © Blogger template 'Solitude' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP