domingo, 12 de julho de 2020

"Toma-me" - Hilda Hilst

Brisa & Ventania — Toma-me Toma-me. A tua boca de linho sobre a...


Toma-me

Toma-me.
A tua boca de linho sobre a minha boca Austera.
Toma-me AGORA, ANTES
Antes que a carnadura se desfaça em sangue, antes
Da morte, amor, da minha morte, toma-me
Crava a tua mão, respira meu sopro, deglute
Em cadência minha escura agonia.
Tempo do corpo este tempo. Da fome
Do de dentro. Corpo se conhecendo, lento,
Um sol de diamante alimentando o ventre,
O leite da tua carne, a minha
Fugidia.
E sobre nós este tempo futuro urdindo
Urdindo a grande teia. Sobre nós a vida
A vida se derramando. Cíclica. Escorrendo.
Te descobres vivo sob um jogo novo.
Te ordenas. E eu delinquescida: amor, amor,
Antes do muro, antes da terra, devo
Devo gritar a minha palavra, uma encantada
Ilharga
Na cálida textura de um rochedo. Devo gritar
Digo para mim mesma. Mas ao teu lado me estendo
Imensa
De púrpura. De prata. De delicadeza.

Hilda Hilst


''Não há convivência possível entre Bolsonaro, vida e direitos dos povos'', afirmam movimentos

Card de divulgação da campanha: mobilização nas redes é central para movimentos sociais (Divulgação)

Em plenária da Campanha Fora Bolsonaro, centenas de organizações elaboram plano de lutas contra o governo. Ações envolvem novo pedido de impeachment, pressão pela cassação da chapa no TSE e articulações para eleições. 
Para ler o texto de Bia Barbosa clique aqui

Leia "té logo, Descarbonário Alfredo Sirkis" de Cassia Moraes clicando aqui

Leia "Repetir, recordar, elaborar e... reparar" de Glaucia Dunley clicando aqui

Leia "Novo ministro da Educação é uma pessoa retrógrada, primitiva e preconceituosa" de Elika Takimoto clicando aqui

Leia "Como Bolsonaro e o Coronavírus põem à mostra o racismo sistêmico brasileiro" de Anakwa Dwamena clicando aqui

Leia "A investigação do MP está mostrando que o MBL operava um gabinete do ódio" de João Filho clicando aqui

Leia "Uma repactuação?" de Luis Felipe Miguel clicando aqui

Leia "Filantropia" de Rubens Pinto Lyra clicando aqui

Leia "Proteger a Amazônia sem ciência: quais são as chances de sucesso?" clicando aqui

Leia "O #blacklivesmatter, a Globo News e Machado de Assis" de Fabrício César de Oliveira clicando aqui

Leia "No Bananistão dos Parapoliciais - 3ª parte" de Bruno Lima Rocha e Rafael Costa clicando aqui

Leia "Pequena história da degradação nacional" de Carlos Alberto Mattos clicando aqui


Thomas Piketty: ''Para reconstruir o internacionalismo devemos dar as costas à ideologia do livre comércio absoluto''

Parlamento Europeu, em 12 de fevereiro, em Estrasburgo (DPA/Photononstop)

Em sua coluna para "Le Monde", o economista propõe um modelo de desenvolvimento cooperativo baseado na justiça econômica e climática. 
Para ler o texto de Thomas Piketty clique aqui

Leia "Elites conservadoras lutam por ''valores'' inventados para justificar a escravidão" de Peter Montague clicando aqui

Leia "Esquentou a "guerra cultural" entre o Vale do Silício e a imprensa" de Carlos Castilho clicando aqui

Leia "China e Rússia firmam aliança contra ameaças dos EUA" de José Reinaldo Carvalho clicando aqui

Leia "Introdução a "Lutas na pandemia"" clicando aqui

Leia "Observações sobre o totalitarismo" de Nicos Poulantzas clicando aqui

Leia "A inclusão é um processo" de Mariana Payno clicando aqui



Ed Sheeran & James Blunt: "Sacrifice"

Esse clássico fez Elton John ficar famoso, mas Ed Sheeran e James ...

Para assistir à interpretação de  "Sacrifice" nas vozes de Ed Sheeran & James Blunt clique no vídeo aqui

Três livros cruciais do psicanalista Wilhelm Reich

Wilhelm Reich e o conceito de potência orgástica - GGN

Cristhian Dunker: O caráter impulsivo (sobre o primeiro livro de Wilhelm Reich) 


Wilhelm Reich (1897-1957) é costumeiramente lembrado como herói da contracultura dos anos 1960, criador do freudomarxismo e inspirador de inúmeras tendências psicoterápicas corporalistas (bioenergética, vegetoterapia, orgônioterapia). Contudo, sua trajetória formativa encontra-se estreitamente vinculada com a psicanálise. Desde 1920, Reich participava das reuniões da Sociedade Psicanalítica de Viena, atuando na Clínica Psicanalítica de Viena desde sua inauguração em 1922. Formou-se pela Policlínica de Berlim em 1930. Ou seja, Reich passou pelo que havia de melhor na formação psicanalítica na década de 1920. 
Para ler o comentário de Christian Dunker sobre o primeiro livro de Wilhelm Reich "O caráter impulsivo" (1925) clique aqui


Teoria do Orgasmo


Reich teceu a Teoria do Orgasmo amparado nos alicerces da Teoria do Desenvolvimento da Libido e da Sexualidade de Freud. Qual é a Função do Orgasmo? Mais do que prazer. Mais do que auto-regulação e homeostase, a Função do Orgamo nos leva em direção ao “derretimento”. “Derreter-se” às sensações vegetativas de prazer e movimentos involuntários da pelve”, eis aí o segredo disponível ao ser humano desde os primórdios da sua existência. Assim como a gota d’água se dissolve no oceano, o eu humano, esse sujeito, constituído através das relações sociais, “derrete-se”, por frações de segundos, no clímax do orgasmo sexual.
Para ler o texto completo sobre o livro de Wilhelm Reich “A teoria do orgasmo” de VMansur clique aqui

A Função Do Orgasmo - Wilhelm Reich - Traça Livraria e Sebo


Para ter acesso ao conteúdo integral do livro "A função do Orgasmo" de Wilhelm Reich clique aqui


Cronologia |

Reflexões sobre ”O assassinato de Cristo” de Wilhelm Reich

Ao ler o livro “O assassinato de Cristo”, de Wilhelm Reich, pude lembrar das observações de Le Bon e de como seu entendimento vem contribuir para as reflexões do livro.
Compartilho com vocês as ideias que o texto me inspirou e tento mostrar aqui a relação das observações de Reich com o conhecimento atual da psicologia social.

O livro fala sobre a nossa incapacidade de nos entregarmos ao amor, de como temos medo da liberdade e fugimos ou afastamos aquilo que realmente queremos. Dificilmente conseguimos ser fiéis aos nossos desejos, ficamos dando voltas, sobrevoando nossos medos e revivendo a repressão que sofremos ao longo da vida. Procuramos algo que nos liberte, mas quando encontramos, matamos a possibilidade da conquista. Preferimos viver vidas vazias em vez de nos aventurarmos ao desconhecido.

Para ler o texto de Alexandre Salvador clique aqui

Livro: O Assassinato de Cristo - Wilhelm Reich | Estante Virtual

Para ter acesso ao conteúdo integral do livro O assassinato de Cristo” de Wilhelm Reich clique aqui



A pobreza é uma escolha política

Philip Alston, Relator Especial sobre Pobreza Extrema e Direitos Humanos, 22 de junho de 2018 (Nações Unidas/Jean-Marc Ferré)
Philip Alston, Relator Especial sobre Pobreza Extrema e Direitos Humanos, 22 de junho de 2018

O relator das Nações Unidas para a pobreza extrema e os direitos humanos, Philip Alston, acaba de lançar seu relatório final, uma crítica fulminante aos esforços internacionais para eliminar a pobreza, que ele descreve como resultado de "negligência de longa data" por "muitos governos, economistas e defensores dos direitos humanos”. 
Para ler o texto de Stephen McCloskey clique aqui


'A alternativa para os próximos 20 anos é uma forma sustentável de capitalismo, que não será vista como capitalismo'

O jornalista britânico Paul Mason é autor de "Pós-Capitalismo: Um Guia para o Nosso Futuro" - Getty Images

Um grande ponto de interrogação se coloca sobre o mundo neste momento: o que vai acontecer depois da pandemia de covid-19? A pergunta recai sobre as coisas mais mundanas e concretas — como quando voltaremos a dar as mãos ou abraçar nossos amigos — até as mais abstratas e aparentemente mais distantes: nossas liberdades individuais serão afetadas? Será o fim da globalização? O que acontecerá com o capitalismo? RELACIONADAS Puxada por supermercado e web, venda de vinhos surpreende na pandemia Petrobras pode recuar sobre teletrabalho estendido após liminar do Sindipetro-RJ Suplicy envia livro a Bolsonaro com dedicatória em defesa da renda mínima Esta última parece ir ao cerne do momento que vivemos atualmente. O capitalismo é mais uma vítima da crise ou seu causador? Como o sistema deve mudar para se adaptar a novas realidades? Há apetite para uma mudança desse porte entre as classes dirigentes e os empresários? O britânico Paul Mason dedicou parte da vida para refletir sobre o capitalismo. Como jornalista, cobriu parte das grandes crises econômicas e dos movimentos sociais das últimas décadas.
Para ler a entrevista de Paul Mason clique aqui

  © Blogger template 'Solitude' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP