sexta-feira, 15 de novembro de 2019

"O quarto vazio" - Nuno Júdice



O quarto vazio

Tenho de encontrar um vocabulário
preciso para cada um dos aspectos deste
quarto; mas o que irá faltar é
a palavra que te irá substituir, ou
o movimento do teu corpo
a caminho da janela, para a abrir,
deixando entrar, com o sol, a sombra
das árvores para dentro de casa.

A cadeira está ali, inútil,
agora que partiste; mas deixo-a
estar, para o dia em que regresses,
como se o passado fosse o dia
de amanhã, ou a tarde mantivesse
a tua presença, trazendo de volta
o vento que servia de fundo
à música da tua voz.

E fecho as cortinas, para
que a escuridão se faça, e
o perfume das flores se
confunda com o teu.


Nuno Júdice

"Bolsonaro é 'tirano solitário' que vive sob a lógica do medo", diz psicanalista

Dunker comparou Bolsonaro com o pai de Brás Cubas: aquele que exige uma aparência em público, mas sanciona maus-tratos no "privado" - Créditos: Evaristo Sa/AFP/Getty Images

O tirano solitário está dependente de uma lógica do medo, de uma lógica da conspiração. Porque ele chegou naquele lugar à base de traição e conspiração”. É assim que o psicanalista Christian Dunker, professor titular da Universidade de São Paulo (USP), analisa clinicamente a figura do presidente Jair Bolsonaro (PSL). 
Para ler seu texto clique aqui

Leia "'Bolsonaro vai dar nossa terra aos americanos': concessão da base de Alcântara aos EUA ameaça quilombolas" de Danilo Serejo clicando aqui

Leia "ELIANE BRUM: Amazônia Centro do Mundo" clicando aqui

Leia "Lula terá dificuldade para construir um campo unificado de oposição" de Rodrigo Martins clicando aqui

Leia "Só lamenta a polarização social e política quem acredita ter força para impor a unanimidade" de Alon Feuerwerker clicando aqui

Leia "O centro precisa parar de mimimi, diz Thomas Traumann" clicando aqui

Leia "Consórcio do Nordeste busca parcerias na Europa" de Joaquim Palhares, Saul Leblon e Carlos Tibúrcio clicando aqui

Leia "LIVRO - Vigilia Lula Libre: Un movimiento de resistencia y solidaridad" de Áurea Lopes clicando aqui

Leia "O amor nos tempos do crack" de Carlos Alberto Mattos clicando aqui

Dos cristais à porcelana: a América Latina na mira dos milicianos

O episódio histórico da Noite dos Cristais na Alemanha, prenúncio do holocausto (Foto: Reprodução)
O episódio histórico da noite dos cristais na Alemanha, prenúncio do Holocausto


As milícias se tornaram a ponta de lança do golpe boliviano e modelo para toda a região. 

Para ler o texto de Luis Fernando Vitagliano clique aqui

Tiago Iorc - "Alexandria"

Resultado de imagem para TIAGO IORC - Alexandria (Troco Likes ao Vivo)

Para assistir à interpretação de "Alexandria" na voz de Tiago Iorc clique no vídeo aqui

Perfil fake, pseudônimo: os efeitos psíquicos de uma vida escondida na web


Uma das descobertas mais surpreendentes, para aqueles que começaram a usar emails e redes sociais, ainda nos anos 1990, envolvia o uso de endereços ou perfis falsos. Alterar seu nome verdadeiro, mudar de gênero, explorar fantasias sexuais em situação de anonimato produziu uma autêntica revolução nos modos de produção de identidades. Muitos teóricos da modernidade, como Giddens, Bauman ou Lipovestky, passaram a falar em identidades flexíveis. 
Para ler o texto de Christian Dunker clique aqui

As cores espetaculares do nosso mundo

Cores


Nos primeiros dias da fotografia, tudo era preto, branco e todos
 os tons de cinza no meio. A fotografia em cores foi introduzida na década 
de 1860 e mudou o mundo para sempre. Pergunte aos fotógrafos o que 
faz uma boa foto e você terá muitas respostas diferentes, mas todos 
concordam que a cor desempenha um papel vital. Essas imagens deliciosas 
brincam com cores naturais, usando a própria natureza como pincel.

Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Fonte
Cores

Para criar espaços de escuta

'Todas as manhãs, os alunos da escola Djarama, em Ndayane, Senegal, reúnem-se em circulo em torno desta árvore. Aí tomam o tomar o pequeno almoço e escutam-se uns aos outros, antes de continuar o dia.'

Resgatar a memória, inscrever novas memórias na História comum, criar histórias cruzadas ou em arquipélago, não é somente clamar por uma aceitação numa História oficial e alargada ou abrir espaços políticos no presente imediato. É conservar e exigir a possibilidade de existência e de ação futura.
Para ler o texto de Liliana Coutinho clique aqui


  © Blogger template 'Solitude' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP