terça-feira, 15 de outubro de 2019

"Sempre cheguei tarde..." - Helena Kolody

Resultado de imagem para mulher com passarinhos


Sempre cheguei tarde
ou cedo demais.
Não vi a felicidade acontecer.

Nunca floresceram
em minha primavera
as rosas que sonhei colher...

Mas sempre os passarinhos
cantaram e fizeram ninhos
pelos beirais
do meu viver.

Helena Kolody

A guerra na educação piora a já frágil saúde mental nas universidades

Estudantes protestam em defesa da educação em frente ao Museu de Arte de São Paulo, na avenida Paulista, em São Paulo, no dia 13 de agosto. Os estudantes defendem ainda a autonomia das universidades e são contrários ao programa Future-se, do Ministério da Educação.

Quando escrevi o texto “Precisamos falar sobre vaidade na vida acadêmica”, em 2016, não podia imaginar a reação bombástica que teria em milhões de leitores. Recebi 300 longas cartas de estudantes que procuravam meu e-mail no Google para desabafar (com uma estranha) suas angústias. Desde então, comecei a pesquisar o tema do sofrimento acadêmico e palestrar em universidades brasileiras. Os auditórios lotam e se produz uma catarse na qual praticamente todos os estudantes da plateia contam suas histórias. Na voz do outro, as pessoas encontram reconhecimento e abrigo, quebram o silêncio, falam até exaustão e não raro choram muito. 
Para ler o texto completo de Rosana Pinheiro-Machado clique aqui
Leia "A cada dia, mais de 100 professores são afastados por transtornos mentais em SP" clicando aqui
Leia "Governo não leva educação a sério, critica Renato Janine Ribeiro" clicando aqui
Leia "Não cortem nosso futuro" de Pedro Gorki clicando aqui
Leia "Brasil, colônia digital" de Marina Wentzel clicando aqui
Leia "Qual a diferença entre a Capes e o CNPq?" de Taís Ilhéu clicando aqui
Leia "Marilena Chauí: Neoliberalismo: a nova forma do totalitarismo" clicando aqui
Leia "Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro" de Paulo Kliass clicando aqui
Leia "Reação à blindagem de Flávio Bolsonaro" de Nádia Pontes clicando aqui
Leia "Para pensar sobre o futuro, depois do senhor Guedes e seu capitão" de José Luis Fiori clicando aqui
Leia "Os conflitos do presidente Bolsonaro" de André Singer clicando aqui
Leia "Polêmica: é legal mandar Bolsonaro "tomar no cu"?" de Julian Rodrigues clicando aqui

Leia "Aqui estão todas as suas informações que o governo vai reunir numa megabase de vigilância" de Tatiana Dias clicando aqui
Leia "Falta uma oposição real no Brasil, que imponha outra agenda no debate público" de Vladimir Safatle clicando aqui
Leia "A crise da democracia no Brasil" de Leonardo Avritzer clicando aqui
Leia "'Nossa luta contra Bolsonaro é a mesma que fizemos contra Lula e Dilma', diz cacique Raoni" clicando aqui
Leia "Relação entre Brasil e Argentina passará por momento mais difícil em décadas" de Oliver Stuenkel clicando aqui

Leia "Mineração e a morte que corre nos rios da Amazônia" Entrevista com Gerôncio Rocha clicando aqui
Leia "A fome é negra, mas o pó é branco" de Raquel Wandelli clicando aqui
Leia "Do charque até a ora-pro-nóbis: a luta pela soberania alimentar na Bahia" de Juliana Fronckowiack Geitens clicando aqui

Morreu Harold Bloom, o polêmico guardião do cânone ocidental

Resultado de imagem para Morreu Harold Bloom, o polémico guardião do cânone ocidental

Autor de A Angústia da Influência (1973) e de O Cânone Ocidental (1994), era talvez o mais conhecido crítico literário em atividade, e também um dos mais polêmicos. Tinha 89 anos e estava hospitalizado em New Haven, nos Estados Unidos. O português Fernando Pessoa era um dos seus eleitos. 
Para ler o texto completo de Luís Miguel Queirós clique aqui

Leia "Franz Kafka: como sair do labirinto" de Renan Porto clicando aqui

Leia "As pesquisas que renderam o Nobel a estes três economistasde Marcelo Roubicek clicando aqui

Leia "O ilegalismo popular – Michel Foucaultde Vinicius Siqueira clicando aqui

Leia "Colonização de Marte. Os primeiros moradores do Planeta Vermelho serão os homens ou as bactérias?" clicando aqui

Leia "Não há futuro que valha a pena sem a natureza" Entrevista com Sandra Myrna Díaz  clicando aqui

Leia "A herança colonial da dívida climática por meio da ideia de raçade  Andrés Kogan Valderrama clicando aqui

Leia "A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo" Entrevista com Helen Kohlen  clicando aqui

Leia "O big data apresenta uma multimetodologia" Entrevista com Walter Sosa Escudero clicando aqui

Leia ""Religiões e Direitos Humanos" é tema da nova edição da revista SURclicando aqui

Leia "Americanos fazem turismo em busca de tratamentos de saúde mais baratos" clicando aqui



Por que os EUA traíram a guerrilha curda 


Autonomistas e igualitárias, brigadas do YPG foram essenciais contra o Estado Islâmico. Agora, são entregues por Trump à Turquia. Movimento favorece o terror, conturba a Síria e sugere: quando não controla, Washington prefere devastar. 
Para ler o texto completo de Patrick Cockburn clique aqui

Leia ""EUA pretendem assassinar Assange de uma ou outra forma", diz pai do fundador do Wikileaksclicando aqui

Leia "Na Polônia também teve Vaza Jato - lá ela derrubou o vice-ministro da justiça. Leia a entrevista com o jornalista Piotr Pacewiczclicando aqui

Leia "A Coreia Popular e a questão securitária na Península coreanade  Diego Pautasso e Tiago Soares Nogara clicando aqui

Leia "Haiti vive uma situação pré-revolucionária e está à beira de uma inssureição popularde Rob Lyon clicando aqui

Leia "Equador. Fim de ciclo e instabilidade sistêmicade Raúl Zibechi clicando aqui

Leia "Alguns debates urgentes para as esquerdas mais à esquerda: uma reflexão a partir da luta no Equadorde Bruno Lima Rocha clicando aqui

Simply Three - "Wake me Up"

Resultado de imagem para Wake Me Up - Avicii (violin/cello/bass cover) - Simply Three

Tendo uma bela paisagem como palco, Simply Three, composto por violino, violoncelo e baixo, apresenta a sua versão de "Wake me Up", uma música bem alegre.
Para assistir à sua interpretação clique no vídeo aqui


Aos 15 anos da morte do filósofo francês Jacques Derrida, o último subversivo

Resultado de imagem para Jacques Derrida

Há de ser fundamentalmente honesto para figurar entre os filósofos vivos mais importantes e escrever um último livro cujas primeiras páginas figuras a anedota de um psicanalista que confessa os limites de sua compreensão do mundo. Há que ser imensamente humano e comedido para escrever, em outro livro final, sou “um espectro inelutável que nunca aprendeu a viver”. Quando ambos piscares pertencem a um filósofo, então podemos antecipar que a experiência da leitura será uma revelação subversiva. Esse autor é Jacques Derrida (1930-2004), um dos filósofos franceses mais impactantes do século XX e XXI.
Para ler o texto completo de Eduardo Febbro clique aqui

Onde Coringa (des)encontra Bacurau

 

O filme de Kleber e Juliano mostra a força da união dos fracos, que se tornam heróis de si mesmos. O 'blockbuster' de Todd Phillips dispara um turbilhão anárquico para gestar um supervilão. 

Para ler o texto completo de Carlos Alberto Mattos clique aqui

Dossiê: As feridas abertas da Guerra Colonial

(1964), "“Guerra Colonial”: exército português em operações.", Fundação Mário Soares / AMS - Arquivo Mário Soares - Fotografias Exposição Permanente, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_114094

A Guerra Colonial durou mais do dobro da Segunda Guerra Mundial e fez milhares de mortos portugueses e africanos. Urge quebrar o silêncio e desconstruir os mitos em torno deste conflito e do passado colonialista de Portugal. Assim como é imperativo dar visibilidade e garantir direitos às suas vítimas. 
Para ler o texto completo clique aqui

AFONSO, Aniceto; GOMES, Carlos de Matos Gomes. Guerra Colonial. Edição: Editorial Notícias, abril de 2000

Para ler o dossiê organizado por Mariana Carneiro clique aqui

  © Blogger template 'Solitude' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP