quarta-feira, 16 de outubro de 2019

"Quando sentires a saudade retroar..." - Guimarães Rosa

Resultado de imagem para mulher com os olhos fechados


Quando sentires a saudade retroar
Fecha os teus olhos e verás o meu sorriso.
E ternamente te direi a sussurrar:
O nosso amor a cada instante está mais vivo!


Quem sabe ainda vibrará em teus ouvidos
Uma voz macia a recitar muitos poemas...
E a te expressar que este amor em nós ungindo
Suportará toda distância sem problemas...


Quiçá, teus lábios sentirão um beijo leve
Como uma pluma a flutuar por sobre a neve,
Como uma gota de orvalho indo ao chão.


Lembrar-te-ás toda ternura que expressamos,
Sempre que juntos, a emoção que partilhamos...
Nem a distância apaga a chama da paixão.


Guimarães Rosa


ALUGA-SE O BRASIL: Pantanal, Forte de Copacabana e +200 pontos turísticos que Bolsonaro quer alugar


Jair Bolsonaro está colocando em marcha um plano imenso para transformar áreas públicas, praias, cachoeiras, lagoas e zonas de preservação ambiental em empreendimentos turísticos privados. Tive acesso a documentos internos do Ministério do Turismo que mostram como isso está se desenvolvendo de maneira acelerada no governo de Bolsonaro — um entusiasta da criação de “Cancúns” brasileiras.
Um dos documentos é uma planilha produzida no primeiro semestre deste ano que lista 222 propriedades da União espalhadas por 17 estados e Distrito Federal, que o governo quer passar para a iniciativa privada explorar (clique aqui para ver a lista completa). São indicações feitas pelos governos estaduais a pedido do governo federal. Há desde prédios históricos e terrenos em locais privilegiados a parques nacionais e ilhas. Até mesmo um parque no Pantanal está entre os alvos do governo — com 135 mil hectares, quase o tamanho da cidade de São Paulo, o Parque do Pantanal Matogrossense hoje não tem infraestrutura turística alguma. 
Para ler o texto completo de Breno Costa clique aqui
Leia "Em carta aberta, engenheiros da Petrobrás denunciam entrega do petróleo brasileiro" clicando aqui 
Leia "De golpe em golpe, desigualdade social e injustiça só aumentam no Brasil" de Monja Kokai clicando aqui
Leia "No Brasil pós-golpe, era da 'conciliação' dá lugar a era da devastação" de Vitor Nuzzi clicando aqui
Leia ""Estamos diante de um Estado de exceção ambiental", diz ecologista Carlos Bocuhy" clicando aqui 
Leia "Alguém pare este homem" de Maria Tereza Jorge Pádua clicando aqui
Leia "Muito prazer, meu nome é PPCDAm" de João Paulo Capobianco clicando aqui
Leia "Ataque à educação vai tirar o país da sociedade do conhecimento, diz Marilena Chaui" clicando aqui 
Leia "Não jogar a criança junto com a água suja" de Luiz Araújo clicando aqui
Leia "Diretores escolares ou de gestores de mão de obra para o mercado?" de  Jorge Barcellos clicando aqui
Leia "Erminia Maricato: ''A reconquista da democracia brasileira passa pelas cidades''" clicando aqui
Leia "O terrorismo de Estado pode ser vencido. Florianópolis dá um exemplo" de Jacques Távora Alfonsin clicando aqui
Leia "Sindicato raiz se desafia a representar a todos" de Clemente Ganz Lúcio clicando aqui 
Leia "Devemos defender e nos orgulhar da existência do Sistema Único de Saúde" de Maria do Rosário clicando aqui
Leia ""O Brasil não aprende e continua se repetindo", diz diretor de "Bacurau"" clicando aqui

A China ainda pode ser a alternativa ao capitalismo

 

Originário de Jiangxi, e hoje professor de estudos chineses na Austrália, na Universidade de Adelaide, Gao Mobo é uma das muitas figuras da chamada “Nova Esquerda”, termo ambíguo que designa uma linha de pensamento, internamente muito diversa, através de um foco multidisciplinar, que relê a recente história chinesa em seu contexto, indo além das categorias estabelecidas pelos ocidentais. Em consequência, alguns autores desta corrente têm se dedicado concretamente ao tema da Revolução Cultural e seu impulso transformador inicial. Além de sua projeção acadêmica, esta “Nova Esquerda” chinesa também tem suas referências políticos, e uma delas é, justamente, a obra de Gao Mobo. 
Para ler sua entrevista clique aqui

Leia "O socialismo de mercado chinês é resultado da fusão entre a economia monetária, o keynesianismo e a planificação soviética" Entrevista com Elias Jabbour clicando aqui

Leia "Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistirde Antonio Martins clicando aqui

Leia "Os curdos e Rojava: Uma revolução democrática sob o ataque da Turquiade Brian Feldman Clough clicando aqui

Leia "A eleição mais árdua de Evo Moralesde Pablo Stefanoni clicando aqui

Leia "Há uma revolução em curso na Bolívia, afirma ex-guerrilheiro e membro do governo Evode Daniel Giovanaz clicando aqui

Leia "Evo Morales denuncia que Embaixada dos EUA tenta comprar votos para a oposiçãode Leonardo Wexell Severo clicando aqui

Leia ""É ingenuidade julgar que fascismo só aparece se for parecido aos anos 1920", diz pesquisador Manuel Loffclicando aqui

Leia "Está chegando o cato-fascismode Jan Zielonka e Stefanie Bernini clicando aqui

Leia "A guerra do cacau: Gana e Costa do Marfim aliados dos trabalhadores do campode Nicola Scvola clicando aqui

Leia "Rumo a um anticapitalismo realista" Entrevista com Wolfgang Sreeck clicando aqui

Leia "A velha receita do Banco Mundialde Paulo Kliass clicando aqui

Leia "Pânico na Reserva Federal e retorno ao ''credit crunch'' num oceano de dívidas" de Eric Toussaint clicando aqui

Leia "O feminismo é um projeto de transformação radical da sociedade no seu conjuntode Paul B. Preciado clicando aqui

Leia "O mundo está tomando uma direção aterrorizantede David Wallace-Wells clicando aqui

Leia "Estamos enfrentando o colapso da civilização das energias fósseisde Jeremy Rifkin clicando aqui

Leia "Mudança climática. Por que devemos ser ativistas em prol do meio ambientede Luisa Neubauer clicando aqui

Leia "É possível confiar no conteúdo dos livros na era das fake news?" clicando aqui

Leia ""Facebook ameaça a democracia", adverte Chris Hughes, cofundador da rede socialclicando aqui

Leia "O plano secreto que motiva Jeff Bezos a acumular riqueza" clicando aqui

Leia "A escola tradicional não responde ao funcionamento do cérebrode Ana Torres Menárguez clicando aqui

Leia "Lênin e os impasses da democracia liberalde Fábio Palácio clicando aqui

Leia "'Dor e Glória': uma peça teatral rica e comovente de Pedro Almodóvarde John Anderson clicando aqui

Jorge Ben jor - "Taj Mahal"

Resultado de imagem para Jorge Ben jor - Taj Mahal

Para assistir à interpretação de  "Taj Mahal" na voz de Jorge Ben Jor clique no vídeo aqui

Patricia Collins: 'Os EUA têm instituições democráticas, mas não têm uma democracia'


Autora de ‘Pensamento Feminista Negro’ vê como positivo o aumento da representação dos negros na mídia mas enfatiza que isso não substitui a representação política. 
Para ler sua entrevista clique aqui


"Nunca alcançamos a democracia", diz autora referência do feminismo negro 

A socióloga Patricia Hill Collins.  - Foto: Divulgacao

O ativismo negro tem como um de seus representantes mais importantes a socióloga americana Patricia Hill Collins. Para ela, há duas dimensões que caracterizam o pensamento feminista negro: a luta pela sobrevivência do grupo, que cria esferas de influência nas estruturas sociais; e a luta pela transformação institucional, capaz de mudar políticas e procedimentos discriminatórios. Professora emérita do Departamento de Sociologia da Universidade de Maryland, Patricia foi a primeira mulher negra a presidir a Associação Americana de Sociologia. Autora de "Pensamento Feminista Negro" (Editora Boitempo), uma das obras de maior referência para pesquisadores dessa área, ela está no Brasil para participar do seminário Democracia em Colapso?, que também terá a presença da filósofa e ativista Angela Davis. Nesta entrevista, Patricia fala sobre racismo, resistência e organização. E alerta: nem chegamos a conquistar a democracia. Mas não é necessário que a luta seja travada de maneira depressiva. Há caminhos. 
Para ler sua entrevista clique aqui

A atualidade de Herbert Marcuse

Resultado de imagem para Herbert Marcuse

O nexo entre o avanço da forma-mercadoria a todos os âmbitos sociais e a resistência que estes levantam foi percebido e muito bem interpretado por Herbert Marcuse. O autor continua atual, ao mesmo tempo em que cabe a ressalva de que suas ideias não podem sem aplicadas automaticamente, o que desrespeitaria a dimensão histórica assumida pela Teoria Crítica. 
Para ler o texto completo de Anderson Alves Esteves clique aqui

Polémica em torno do Nobel a Peter Handke não dá sinais de amainar

Resultado de imagem para Polémica em torno do Nobel a Peter Handke não dá sinais de amainar

Vários escritores vêm questionando a escolha da Academia Sueca e corre já uma petição para que seja revogada a atribuição do prêmio ao autor austríaco. 
Para ler o texto completo de Luis Miguel Queirós clique aqui

  © Blogger template 'Solitude' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP